terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Frederico Virmond

Frederico Virmond

Nascido na Alemanha, veio para o Brasil em 1818,  fez parte da história da arte no Paraná como um dos pioneiros.

Retrato de Frederico Virmond



Maria Isabel e Maria Luiza
(esposa e filha do autor)


Frederico Virmond
 No início da colonização no Brasil até o século XIX, os viajantes que passaram pela região do Paraná deixaram suas impressões em forma de pintura, pois, nesse período, ainda não existia a fotografia.

    O primeiro pintor a morar no Paraná foi Guilherme Frederico Virmond que chegou aqui em 1833. Falava várias línguas, estudioso de zoologia e música e desenhista de charges. Virmond foi o primeiro a retratar o povo da região. As primeiras charges que aqui surgiram foram feitas por ele.
    A primeira escola de arte do Paraná, a Escola de Artes e Indústrias, foi criada pelo artista português Mariano de Lima em 1886. A escola não permaneceu por muito tempo mas foi muito importante para o desenvolvimento da Arte Paranaense, pois revelou artistas como Zaco Paraná e João Turin, que são reconhecidos até hoje.
    O pintor Alfredo Andersen teve grande importância na formação de diversos artistas que frequentavam seu atelier. O próprio Alfredo Andersen foi considerado, posteriormente, “o pai da pintura paranaense”,
tanto por sua obra artística quanto por suas propostas educativas.






domingo, 14 de dezembro de 2014

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

A arte de Eloir Junior

Eloir Junior, estudioso da arte europeia no Paraná, já representou o estado na Europa. Produz uma arte rica em detalhes voltada à cultura eslava.





quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Di Magalhães

BIOGRAFIA

 DIVINO FERREIRA DE MAGALHÃES


   Nasceu na cidade de Goiás em 1957, cidade Patrimônio Histórico da Humanidade, antiga capital do estado de Goiás, formado em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Goiás, na área de Pintura e Gravura. Reside em Curitiba, capital do Estado do Paraná desde 1990, onde possui seu atelier e ministra aulas de Desenho e pintura na Fundação Cultural de Curitiba. Após a execução de vários cenários para teatro, principalmente óperas, começou a reproduzir trabalhos em maior escala, como os belos murais do IPHAN- Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional de Curitiba, técnica na qual tornou-se especialista. Além dos cenários e pintura murais, dedica-se, também, à pintura em tela, desenhos em bico de pena, aquarelas e gravuras diversas como: serigrafia e litografia.

(fonte:http://literarteparanaense.blogspot.com.br/p/di-magalhaes.html)

OBRAS