sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Minha crítica à arte moderna forçada

O que considerava-se interessante e moderno nos anos 30 a 50, hoje pode ser uma aberração antiecológica. Às vezes torna-se insuportável visitar museus contemporâneos e ver os aproveitamentos de  material considerado reciclável. Vivemos um período em que não podemos ensinar as crianças e jovens a reaproveitar garrafas plásticas e restos de algum material fazendo enfeites de natal. Temos que ensiná-las a utilizar material retornável. Não podemos incentivar a utilização de metais, temos que ensinar as crianças crescidas a não trocarem de carro todos os anos dando o exemplo. Não podemos exibir uma exposição de sombrinhas coloridas dizendo que foram reaproveitadas do lixo. Temos que ensinar esta geração a se opor a compras de produtos de má qualidade. Parece que nenhum de nós é responsável pela preservação e consciência ecológica. Arte em busca de resultado financeiro a qualquer custo não é mais arte, assim como um jogador de futebol que é comprado por times do mundo todo também não faz mais futebol arte, faz dinheiro. Criticamos os meios de comunicação quando influenciam a sociedade com más informações. O artista é comunicador, e tem a responsabilidade de comunicar o bem em uma sociedade tão cheia de problemas. Comunicar o egoísmo e egocentrismo,  o interesse financeiro, a falta de compromisso com a sociedade através de uma arte sem compromisso, corrompe, entristece...  nossa arte deve ser livre, e livre também deve permanecer nossa consciência!!!